Arquivo da tag: oncologia

Viu algo, Faça algo! – 9º sinal clínico: Caroços sob a pele ou mamas

PC - Post 09 VIU ALGO Postlink ROSA- v1.1.png

Estamos chegando ao último sinal clínico abordado na nossa campanha Viu Algo, Faça Algo!, com objetivo de explorar aspectos da saúde dos peludos para facilitar uma detecção precoce de doenças, por meio da avaliação cuidadosa dos tutores. É muito comum vermos nódulos, aumentos de volume, “caroços” ou “bolinhas” nos nossos animais, e devemos sempre estar atentos, pois podem ter significados importantes!

Principais doenças que podem se manifestar em aumentos de volume (“caroços” e “bolinhas”):

  • Tumores: são nossa principal preocupação quando encontramos nódulos. Abordamos o câncer e seus aspectos em outros textos aqui no blog, e você pode conferi-los aqui. Quando nos deparamos com aumentos de volume, exames adicionais serão necessários para definir a natureza da lesão, sua classificação e tratamento necessário. O médico veterinário pode solicitar exames como a citologia ou a biópsia.
  • Abcessos/flegmões: são lesões de caráter inflamatório/infeccioso causadas pela inoculação de bactérias no tecido subcutâneo ou em camadas mais profundas, como a musculatura. Podem se demonstrar como aumento de volume doloroso ao toque, quente, e o paciente pode demonstrar grande desconforto e dor na região.
  • Hérnias: Se demonstram em regiões específicas do corpo (como a virilha ou região umbilical), quando órgãos da cavidade abdominal acabam se posicionando em locais erráticos, por um defeito na parede muscular. Podem ter grande tamanho e normalmente o paciente não sente desconforto na palpação.

Os sinais clínicos apresentados dependerão muito do diagnóstico do paciente.

Tumores podem não ter nenhum sinal clínico e estarem localizados em qualquer local do corpo, por isso a importância da avaliação minuciosa do tutor. Dependendo de quais estruturas estiverem acometidas, bem como o tamanho, pode haver dor e desconforto. Lesões infecciosas normalmente cursam com febre, dor, prostração e anorexia. Podem haver fístulas drenando secreção purulenta nestes casos. Hérnias normalmente não causam sintomas, apenas em situações muito específicas como o encarceramento, quando há dor intensa e comprometimento da vida do paciente, sendo necessário atendimento imediato.

A prevenção é a medicina do futuro

Falando principalmente dos nódulos mamários, o câncer mamário é uma triste realidade em nossos pacientes, tendo uma alta incidência nas espécies canina e felina. Porém podemos prevenir esta doença realizando a castração precoce, antes do primeiro cio ou entre o primeiro e o segundo cio, e dessa maneira podemos diminuir a incidência dos tumores mamários em até 95%. É uma maneira efetiva de evitarmos uma doença que pode trazer muito sofrimento ao paciente e aos familiares.
Pela característica traumática que os outros aumentos de volume podem ter (abcessos e hérnias), é sempre bom reforçar os cuidados com nossos peludos. Os animais muitas vezes não sabem o perigo que estão correndo ao atravessarem uma rua movimentada, ou ao pularem de um local alto. Como crianças, necessitam de supervisão constante para que não se machuquem. Devemos estar sempre atentos, dessa maneira evitando acidentes!

Este é o cerne da nossa campanha, detecção precoce para podermos prevenir. Cuidado para evitar o sofrimento. Esta é a Viu Algo, Faça Algo!

Guilherme Cirino

 

 

Guilherme Azevedo Cirino
Médico Veterinário
CRMV/RS 11799

Outubro Rosa, Tempo de Informação e Prevenção!

Print O Câncer é uma doença cheia de paradoxos. Nos acompanha desde tempos antigos, porém se demonstra em nossa sociedade moderna como uma chaga avassaladora, uma palavra agourenta que está sempre ligada a dor, sofrimento e falta de perspectiva. Contudo, umas das armas mais poderosas que temos para desafiar tamanho inimigo se encontra facilmente disponível, e cada vez mais se faz presente em nossas vidas: a Informação.
Com os primeiros passos dados na década de 90, o movimento Outubro Rosa ganhou força e organização em meados de 1997, quando diversas entidades nos Estados Unidos se uniram sob uma mesma bandeira: conscientização, informação e diagnóstico precoce. As ações ganharam destaque mundial, sendo veiculadas no Brasil pela primeira vez em 2008, e permearam a Medicina Veterinária por volta de 2015, estendendo o mesmo desejo de levar informação e esperança a tutores que se veem frente a tal patologia.As neoplasias mamárias são extremamente comuns nas espécies canina e felina, sendo o tumor mais frequente em cadelas, representando 50 a 70% de incidência nesta espécie. Em gatas compreende o terceiro tipo mais comum, com uma ressalva: grande parte dos tumores mamários em felinos são malignos, com índices chegando a 80%.

Perante dados tão preocupantes, o conhecimento e entendimento da doença se faz essencial para um bom prognóstico e, antes de tratar, prevenir sempre será a melhor opção! Desta maneira, é importante salientar o papel da castração na prevenção do câncer em animais. Cadelas castradas antes do primeiro cio tem uma diminuição da incidência de 95% para neoplasias mamárias, quando comparadas com cadelas não castradas. Nas gatas, a diminuição da incidência de tumores mamários quando castradas antes do primeiro cio é de 91%. Outro dado importantíssimo: o efeito protetor da castração se esvai rapidamente para animais que não são castrados precocemente, sendo que animais castrados após os 2 anos de idade não demonstram diminuição da incidência para tumores mamários.

Tão importante quanto a prevenção, o diagnóstico precoce é capaz de aumentar as chances de cura para o paciente. Desta maneira, o exame do animal pelo seu tutor e as visitas periódicas ao veterinário se fazem essenciais, promovendo diagnóstico e posterior tratamento. Sempre examine as mamas do seu animal, de uma maneira gentil, ficando atento à presença de nódulos ou alterações de consistência. Se achar algo diferente, não hesite em levar ao veterinário! Por muitas vezes me deparei em minha prática com indicações e comentários do tipo “seria melhor não intervir, pois ela está bem”, ou “ela é idosa demais para qualquer procedimento”. Uma reflexão importante quanto a isso: deixar um câncer potencialmente maligno se desenvolver livremente, sem intervenção, JAMAIS será a melhor alternativa. Converse com seu veterinário de confiança, procure um Oncologista, fique atento! Pois estas atitudes fazem toda a diferença.

Guilherme Cirino

 

 

Guilherme Azevedo Cirino
Médico Veterinário
CRMV/RS 11799

Saiba mais sobre Oncologia Veterinária

family-with-petNos dias de hoje, nossos pets são membros da família, vivendo muitos anos conosco e trazendo imensas alegrias durante este período. Contudo, com o aumento da longevidade dos animais, uma doença mortal tem acontecido com mais freqüência do que gostaríamos, o Câncer.

O estigma do câncer acompanha a humanidade e nossos companheiros desde tempos imemoriais, trazendo dor e sofrimento para os pacientes acometidos, bem como para suas famílias. Durante muito tempo a doença foi considerada uma sentença de morte, onde a esperança dava lugar à desolação frente a um prognóstico desfavorável. Porém, isso está mudando.

A medicina teve uma evolução exponencial no último século, e a Oncologia é a área onde se concentram os maiores esforços e pesquisas na atualidade, trazendo tratamentos inovadores que melhoram a qualidade de vida de pacientes humanos, bem como de nossos peludos. Nesta perspectiva, o Oncologista se faz profissional essencial dentro da clínica de animais de companhia, promovendo conhecimento e atendimento altamente qualificado para lidar com uma doença tão complexa como o câncer. Como o câncer se origina das células que um dia foram normais dentro do nosso organismo, virtualmente qualquer sistema orgânico pode ser afetado, e a doença pode se manifestar de inúmeras maneiras, demonstrando os mais variados sintomas. Uma das apresentações mais comuns em cães é a neoplasia mamária, afetando fêmeas de meia idade e idosas, onde o tutor poderá perceber a presença de nódulos nas mamas.

Uma neoplasia maligna é caracterizada pela proliferação descontrolada de células alteradas, que sofreram mutações pelos mais diversos fatores (exposição a agentes carcinogênicos, fatores ambientais, predisposição genética) e, devido a este processo, não são mais reguladas pelo organismo. As células saudáveis apresentam e respondem a diversos mecanismos que controlam sua divisão e, quando estes falham, temos o afloramento do câncer. Através destas mutações a neoplasia também pode enganar o sistema imunológico e se espalhar pelo organismo, dando origem as metástases.

Citando nosso exemplo anterior de neoplasia mamária, tanto em mulheres quanto em cadelas, se a doença for descoberta precocemente e o tratamento adequado for instaurado, temos grandes chances de atingir a cura da paciente afetada! Estes tratamentos incluem a cirurgia, modalidade terapêutica muito utilizada em Oncologia, mas também podem ser necessários tratamentos adjuvantes como a quimioterapia. Esta modalidade terapêutica vem sendo muito utilizada em ambas as espécies, promovendo sequência ao tratamento cirúrgico e melhores chances de aumento na sobrevida. Um dado importante, a quimioterapia em animais de companhia costuma demonstrar poucos efeitos colaterais e, quando apresenta, são reversíveis e de fácil tratamento, diferindo dos tratamentos em seres humanos que são mais agressivos com efeitos mais deletérios ao paciente. Se houver a indicação de quimioterapia, não se assuste! A tendência é que seu companheiro reaja muito bem.

Finalizando, caso seu peludo tenha o diagnóstico de uma neoplasia maligna, procure o Oncologista! Ele é o profissional mais capacitado para avaliar o caso e promover o mais importante para todos os pacientes, independente da doença: Qualidade de Vida!

Guilherme Cirino

 

 

Guilherme Azevedo Cirino
Médico Veterinário
CRMV/RS 11799