Arquivo mensais:abril 2016

Documentação para viagens de avião, nacional e internacional. O que é preciso?

É comum programar férias em família e não pode faltar ninguém na viagem, inclusive os animaizinhos de estimação. #porquesim MEU PET FAZ PARTE DA FAMÍLIA!

cuidados-na-hora-de-viajar-com-seu-cao

Mas você sabe quais documentos são necessários para viajar de avião com eles?

Antes de qualquer coisa busque informações sobre o local de destino e quais requisitos devem ser cumpridos para ingressar com os bichinhos, no caso de viagem para outro país entre em contato com a embaixada/consulado; organize-se com antecedência, tendo em vista que alguns documentos levam tempo para ficarem prontos; certifique-se que o estado de saúde e as vacinas do seu pet estão em dia; e, atente para exigências específicas de cada empresa aérea. Lembre-se que algumas raças não são aceitas pelas companhias aéreas por serem braquicefálicos (focinho curto), independente de cumprirem com os outros pré-requisitos.

De um modo geral, normalmente, é exigido que o bichinho seja acondicionado em caixa de transporte apropriada, portando atestado de saúde, carteira de vacinação, Certificado Veterinário Internacional (CVI) ou Passaporte (confira lista de documentos detalhada abaixo). Isso mesmo: PAS-SA-POR-TE (para mais informações acesse o site http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/folder%20caes%20e%20gatos-web-final.pdf).

 

Dicas importantes:

Previamente à viagem dê banho e apare as unhas do seu pet, retire roupinha, coleira ou quaisquer coisas que possam vir a machucar ou deixar desconfortável seu amigo.

Ofereça alimentos leves e estimule-o a urinar/defecar antes de acomodá-lo na caixinha que deve estar forrada com material absorvente e não conter objetos soltos no interior.

Mas, o mais importante, converse com o médico veterinário de sua confiança sobre a necessidade em sedar ou não seu pet, conforme exigência da companhia aérea.

 

Documentação exigida para viagens nacionais:

  • Atestado de saúde: Emitido pelo médico veterinário, tem validade de 10 dias a contar da data de emissão;
  • Carteira de vacinação: Certificado de vacinação antirrábica exigido para animais com mais de 03 meses de idade. Essa vacina precisa ser aplicada de 30 dias a 01 ano antes do embarque.

 

Documentação exigida para viagens internacionais:

  • Certificado Zoossanitário Internacional (CZI): É o documento emitido pelo serviço sanitário oficial do país de origem ou de procedência do animal, com o intuito de garantir o cumprimento das condições sanitárias exigidas para o trânsito internacional de animais até o país de destino. A validade deste documento é de acordo com as regras de cada país;
  • Atestado de saúde: Emitido pelo médico veterinário, tem validade de 10 dias a contar da data de emissão;
  • Carteira de vacinação: Certificado de vacinação antirrábica exigido para animais com mais de 03 meses de idade. Essa vacina precisa ser aplicada de 30 dias a 01 ano antes do embarque;
  • Microchip/tatuagem: O microchip é implantado no corpo do animal, contendo um código alfa numérico de identificação. Ao invés do microchip, uma tatuagem é aceita com as mesmas informações, normalmente localizada atrás da orelha do animal.

Laudo de Sorologia: É o envio de amostra de sangue para um dos dois laboratórios credenciados pela União Europeia (UE) no Brasil. ATENÇÃO: É necessário aguardar 90 dias entre a data da coleta do sangue e o embarque.


Cláudia Medeiros
Auxiliar de Veterinária

Profilaxia dentária

O que é doença periodontal?

A Doença Periodontal tem seu início com o acúmulo de placa bacteriana, que é uma película que se adere à superfície dentária. Com o passar do tempo, ela se mineraliza, formando os cálculos dentários(tártaro).

A primeira reação da cavidade oral é a gengivite (inflamação da gengiva), que quando crônica, pode passar para uma periodontite (destruição do suporte dentário), levando à perda dos dentes.

profilaxia

Tratamento da doença periodontal? 

Para se realizar um tratamento realmente eficiente, o animal deve ser submetido à anestesia geral. A partir desse momento, os dentes são examinados um a um.  O cálculo é removido com um aparelho de ultra-som (tanto acima quanto abaixo da gengiva) e, muitas vezes, é necessário fazer outros procedimentos, como aplainamento radicular, extrações e até mesmo retalho gengival. Após a raspagem, os dentes são polidos com motor de baixa rotação, utilizando uma pasta especial. Esse procedimento deixa os dentes mais lisos, diminuindo o acúmulo de placa.

Riscos anestésicos?

Essa é a pergunta mais freqüente dos proprietários. Hoje em dia, com os recursos disponíveis, os riscos anestésicos são muito pequenos. O animal é entubado e recebe anestesia inalatória, com drogas que oferecem grande segurança. Além disso, durante todo o procedimento são monitoradas as funções vitais do animal, como pressão arterial e freqüência cardíaca e respiratória, como em um centro cirúrgico humano.

Ataque silencioso – saúde geral comprometida:

Durante todo o período em que o seu animal apresentar a doença periodontal lembre-se que, além do mau hálito que incomoda à toda família, ele também estará sofrendo um bombardeio silencioso de milhões de bactérias que estarão saindo das placas de tártaro e indo para seus órgãos internos através da corrente sanguínea.

Cada bactéria causa pequeninas lesões nos vasos sanguíneos, articulações (poliarterite) e em órgãos como coração (principalmente no endocardio – endocardite bacteriana), fígado (hepatite) e rins (glomerulonefrite). Com o passar dos anos, estas pequeninas lesões crescem, pois as bactérias presentes no tártaro continuam a se multiplicar, e passam a prejudicar o funcionamento destes órgãos.

Deve-se sempre lembrar que tão importante quanto o tratamento periodontal é a manutenção da saúde bucal após o mesmo, através das medidas profiláticas indicadas pelo seu médico veterinário.

Portanto a mensagem é clara: Proteja o seu animal!

Não permita que ele passe anos acumulando tártaro e bactérias que além de causarem odores desagradáveis, destruirão seus dentes e seus órgãos internos. Não espere que ele apresente “um pouquinho mais de tártaro ” para levá-lo a um odontologista veterinário.

Procure o tratamento periodontal o quanto antes e comece um programa de profilaxia e higiene bucal para que seu animalzinho possa passar longos anos de alegria e companheirismo ao seu lado.

 

Patrícia Oliva Rosa
Médica Veterinária
CRMV/RS 9138