Arquivo mensais:setembro 2015

Para os pets, prevenir também é o melhor remédio

DeeDee_DogTag_03_ResizedAssim como os humanos, nossos pets também necessitam de revisões anuais, os chamados check-ups, principalmente quando começam a ficar idosos.

A partir dos sete anos, em geral, os cães e gatos iniciam a fase geriátrica que pode vir associada a várias doenças comuns dessa fase da vida.

Algumas podem se desenvolver em função de predisposição genética, outras por alterações endócrinas (tireóide, adrenais etc), algumas influenciadas pela alimentação ao longo da vida, obesidade e sedentarismo. Conheça algumas delas:

DOENÇAS CARDÍACAS: São muito comuns em pets idosos. Seus primeiros sinais clínicos incluem tosse seca, cansaço, dificuldade respiratória e cianose (língua de coloração arroxeada) ao se agitar. Caso o proprietário perceba qualquer dessas alterações, é de extrema importância a investigação, pois, quanto mais precoce o diagnóstico, melhores as chances de tratamento e sobrevida.

INSUFICIÊNCIA RENAL: Também,  muito comum, sendo acompanhada de emagrecimento progressivo, vômitos, diarreia, poliúria e polidipsia (urinar e beber água em maior quantidade). Se identificada precocemente, há controle, com cuidados alimentares e visitas periódicas para fluidoterapia (soro).

ALTERAÇÕES ÓSSEAS OU ARTICULARES: Apresenta sinais clínicos como dor, claudicação (mancar), dificuldade para se locomover ou levantar e relutância para subir escadas.

NEOPLASIAS (TUMORES): São frequentes nesta idade, sendo a maioria ligada a fatores genéticos. Se, ao acariciar seu pet, perceber qualquer aumento de volume, nódulos, manchas, leve-o para avaliação. Ainda existem neoplasias que podem se desenvolver em órgãos como fígado, baço, pulmão. Para isso, se realizado exames de imagem periodicamente, as chances do diagnóstico precoce e tratamento aumentam a sobrevida.

Sendo assim, quando seu animal de estimação chegar nesta fase, realize check-ups anuais, principalmente para medidas preventivas. Muitas doenças podem ser prevenidas e tratadas mais facilmente quando estão nos primeiros estágios e possibilitam um melhor controle. Além disso, não esqueça de levar seu pet para a vacinação, pelo menos uma vez por ano, e já fazer uma avaliação com seu veterinário. Afinal, seu pet, faz parte da família.

Dayane Borba da Silva

 

Dayane Borba da Silva
Médica Veterinária
CRMV/RS 10998